santocristo1

santocristo2

santocristo3

 

 

 

 

 

 

As Misericórdias foram instituídas em Portugal com o alto patrocínio da rainha D. Leonor, a partir de 1498, com a finalidade de assistir aos pobres e enfermos. A Misericórdia de Penamacor data, certamente, do reinado D. Manuel I (1495-1521 - Século XVI), em cuja época a vila regista um assinalável surto de crescimento urbano, atestado pelos numerosos apontamentos arquitectónicos disseminados pelo arrabalde, de feições caracteristicamente manuelinas, cujo o melhor exemplo é o bonito portal da própria igreja, com as suas arquivoltas ornadas de motivos vegetalistas, típicos do gótico final português. No interior sobressai o altar-mor, em talha de estilo nacional, bem como as magníficas imagens de Nossa Senhora das Dores e do Senhor dos Passos, que ocupam os altares laterais. À porta da Misericórdia funcionou, até ao primeiro quartel do séc. XX, a roda dos expostos, artifício pelo qual se recebiam os recém-nascidos enjeitados. Por tradição, que ainda se mantém, cabe ao sino da Misericórdia anunciar o falecimento dos naturais da vila.

misericordiamisericordia3misericordia2

 

 

 

 

 

 

Fundado em 1571 (Séc. XVI) pelos Frades Capuchos de São Francisco, a rogo dos “principais” da vila de Penamacor, oficiais da Câmara e do próprio Bispo da Diocese da Guarda junto do Ministro Provincial da Ordem, o Convento de Santo António foi construído com a ajuda das rendas do concelho, doações de fidalgos, abastados da terra  e com a mão-de-obra voluntariosa de toda a população.  A partir de 1834, com a extinção das Ordens Religiosas e nacionalização dos seus bens, o edifício conhece vários usos. Entre períodos de abandono e degradação é sucessivamente Hospital (1867–1905), Centro de Saúde (1975-1990) e Centro de Dia assistencial para idosos. Em 1946, o Ministério de Assuntos Sociais entrega à Misericórdia o hospital e todos os seus bens, incluindo o Convento. A estrutura arquitectónica do conjunto prima pela sobriedade, destacando-se a fachada da igreja, onde se evidenciam elementos clássicos, e o claustro, de dois andares, de proporções igualmente clássicas. O interior da igreja  surpreende pelo brilho da talha que reveste o altar-mor e o púlpito, de cunho barroco, os dois altares laterais, ambos de feição clássica, e o tecto de caixotões decorados com motivos picturais tipicamente barrocos.  Curiosas pinturas orientalistas podem ser ainda vislumbradas no cadeiral do coro, talvez relacionadas com o papel evangelizador dos franciscanos no Extremo Oriente. Na sacristia sobressaem os quadros de episódios da vida do grande taumaturgo e patrono do Convento, Santo António.  

santoa1  claustro4 claustro1 claustro3 claustro2santoa3 santoa2

S.C.M.P.

SEDE
Convento de Sto António de Penamacor
6090- Penamacor

IBAN: PT50 004540524007578582716
NIF: 500875740

Publicações recentes

© 2016 SCMP - Todos os direitos reservados

Procurar